Banhada pelo rio da Prata, Montevideu é um destino imperdível

Vamos encontrar a cidade na margem oriental do rio da Prata. Famosa por ser um importante centro de turismo no Uruguai, Montevideu apresenta-se como um destino a descobrir.

Nos títulos que orgulhosamente ostenta, sobressai o de ser, além de capital, a maior cidade do Uruguai. A este junta-se o facto de ser também a sede administrativa do Mercosul. Dá para perceber de imediato a importância, certo? Mas mais do que títulos, a cidade ostenta um tremendo orgulho na sua história e evolução.

Vamos descobrir Montevideu

Situado no Sul do país, nas margens do rio da Prata, Montevideu apresenta-se de cabeça erguida como a cidade da região com melhor qualidade de vida e uma das 30 mais seguras do mundo. Espantado? Pois, na verdade este que é um destino surpreendente, tem a capacidade de agradar a quem aprecia história e cultura, mas que não dispensa actividades e descobertas. Montevideu cresceu na zona geográfica onde se encontra a rota principal de movimentação de cargas do Mercosul.

Isso fê-la crescer em importância, a qual aumenta pelo facto de a cidade acolher uma baía perfeita que facilmente se transformou num porto natural. Hoje é ele o mais importante porto do país, de onde saem as exportações e por onde entram as mercadorias importadas. Com tantos factores a seu favor não espantará ninguém que, contando com a sua área metropolitana, a cidade acolha, aproximadamente, metade da população total do país. Este é na verdade um feito realmente fantástico para uma cidade que na sua génese teve um pequeno povoado de índios e imigrantes que ali se estabeleceram em redor do  forte edificado em 1723, por Bruno Mauricio de Zabala, governador espanhol de Buenos Aires, para proteger o rio da Prata das tropas portuguesas de Manuel de Freitas da Fonseca. Três anos depois adquire o estatuto de cidade.

Uma história curiosa é o nome, sobre o qual há duas versões. Uma refere como base o diário de navegação da expedição de Fernão de Magalhães, onde está registada a existência de um monte parecido com um chapéu e ao qual foi dado o nome de “Monte vi eu”. A outra, sem base histórica, é a que tem passado de geração em geração.

De acordo com ela, ao navegarmos pelo rio da Prata de leste para oeste, ou seja, do Atlântico para o continente, avista-se, a seis graus, o monte onde se situa a capital uruguaia. Do registro do nome “Monte VI de Este a Oeste” nasceu a forma abreviada de “Monte VI-D-E-O”.

De lá para cá, uma história

Com o seu crescimento estimulado pelo comércio directo com as cidades espanholas, durante o século XVIII Montevideu ganhou importância. Era desde ela que se realizavam as trocam comerciais com Buenos Aires e foi do seu porto que, em 1806, zarparam os barcos espanhóis que iriam libertar a cidade argentina da ocupação britânica.

Mas não foram só os espanhóis que ali exerceram poder, também nós, os portugueses a conquistámos. Tal evento aconteceu em 1817, passando depois para a posse do Brasil, aquando do reinado de D. Pedro I. A independência chegaria em 1828, data em que é proclamada capital do Uruguai. Como quase todos os países, também o Uruguai viria a passar por um período de guerra interna, entre 1843 e 1851, findo o qual o país desabrochou, ganhando forças para crescer. Os séculos seguintes foram de um tremendo desenvolvimento do país e da sua capital, o que atraiu a Montevideu, não só pessoas vindas do interior do país, mas muitos imigrantes oriundos de Espanha e Itália.

Montevideu, hoje

Quando planear a sua visita tenha em conta o tempo atmosférico que vai encontrar em Montevideu. Com um clima húmido e temperado, apresenta Verões quentes e com pouco vento. Em compensação o Inverno é por ali bastante frio com rajadas de vento gelado e massas de ar polar, muitas vezes tudo acompanhado de chuva, acontecimento bastante regular no decurso dos 12 meses do ano.

Tendo no turismo uma das actividades económicas mais importantes, Montevideu oferece alguns motivos de interesse que alavancam a visita do cada vez maior número de visitantes. Comecemos pelos vestígios do seu passado histórico, como a Praça da Independência, que se apresenta como a mais importante do Uruguai e que alberga ainda um dos portões da antiga muralha que cercava a cidade durante a época colonial.

Mas há muito mais para descobrir. Percorrendo as ruas e ruelas históricas da cidade os visitantes vão poder fazer um roteiro pleno de interesse com paragens em spots como a sede do Congresso, o Palácio Legislativo, a Catedral, o antigo teatro Casa de Comedias e o Teatro Municipal Solís. Espaços de ensino e sabedoria, algumas das universidades da cidade nasceram no século XIX, como é o caso das universidades da República, aberta de 1849, e a do Trabalho do Uruguai, fundada em 1878. Orgulhosa do seu passado, a cidade faz gaudio em mostrá-lo a quem chega através do espólio dos seus museus, como o de Histórico Nacional, o Nacional de História Natural e o de Belas-Artes, e do acervo das bibliotecas, a maior delas a Biblioteca Nacional do Uruguai.

Depois as praias, espaço escolhidos por muitos, locais e forasteiros, que ali aproveitam para relaxar. Quando o fim do dia chega e antes de inundarem os muitos e bons restaurantes e espaços nocturnos da cidade, aceite a nossa sugestão e suba aos Alto do Cerro. Aí visite o antigo forte espanhol e aprecie um dos mais belos pôr-do-sol, imagem lindíssima que vai certamente trazer gravada a na memória.

Por Sandra M. Pinto

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players
Automonitor
Marcas deverão despedir 80 mil pessoas nos próximos anos