Férias mais saudáveis em tempos de pandemia

Sandra Martins, coordenadora do Mestrado em Fisiologia do Exercício da Universidade Europeia, partilha alguns conselhos sobre como ter umas férias e um tempo de lazer saudáveis em conformidade com as indicações governamentais em tempos de pandemia causada pelo Covid-19.

Decorridos cerca de dois meses desde o início da quarentena e do lançamento do Blog #FicaEmCasa pela Universidade Europeia e IPAM, é chegado o momento do levantamento progressivo do confinamento e, com ele, do retorno gradual, com segurança, às rotinas agora ajustadas, em especial a importância da actividade física para o nosso equilíbrio pessoal.

Porque é que o lazer activo em tempos de pandemia faz sentido?

A Organização Mundial de Saúde e a Direcção Geral de Saúde recomendam a adopção de estilos de vida activos e comportamentos saudáveis, não apenas no contexto da COVID-19, mas como uma estratégia de longo prazo para a saúde física e mental.

Estas recomendações estão suportadas nos inúmeros benefícios para a saúde, resultantes da prática regular de actividade física, os quais incluem: a diminuição do risco de doença pulmonar, reforço do sistema imunitário, redução dos sintomas de depressão, melhor gestão do stress (particularmente importantes no contexto da COVID-19), juntamente com a melhoria da gestão do peso, das doenças cardiovasculares, diabetes, entre outras.

Apesar de, até ao momento, não haver dados acerca dos efeitos da actividade física nos diferentes tipos de coronavírus, já existe evidência científica de que a actividade física pode proteger de muitas outras infecções virais, entre as quais se incluem as causas comuns de gripe, como a influenza e o rinovírus.

Por estes motivos, é de extrema importância manter os níveis de actividade física dentro das recomendações de saúde pública: realizar, no mínimo, 150 minutos por semana de actividade física com intensidade moderada, quer durante a rotina habitual, quer durante as férias.

A consciência de todas estas vantagens foi o mote para o lançamento do Blog #FicaEmCasa

com recomendações e sugestões diversas para se viver de forma mais tranquila o isolamento social e as restrições à mobilidade adotadas para combater a propagação de COVID-19 no país.


Porquê a atividade física em contacto com a natureza?

Existem inúmeros contextos e locais para a prática de actividade física, mas, devido às restrições impostas para lidar com a pandemia em recintos fechados, as actividades ao ar livre assumem particular relevância, em especial as actividades realizadas em contacto com a natureza.

Nas últimas décadas, tem vindo a aumentar a investigação que indica que viver em zonas urbanas com espaços verdes está associado a um menor risco de doença respiratória, cardiovascular, obesidade, diabetes, doença mental e a uma menor mortalidade em adultos, enquanto nas crianças promove o seu desenvolvimento motor e cognitivo, ao mesmo tempo que reduz a probabilidade de ocorrência de obesidade pediátrica.

Por outro lado, tem-se verificado que a actividade física realizada na natureza (p.e., em parques, florestas e praias) pode ser fisiológica e psicologicamente mais benéfica para a saúde e o bem-estar que noutros locais. Várias melhorias psicológicas parecem mesmo poder ocorrer apenas em resultado de se passar tempo de forma passiva em ambientes naturais comparativamente a ambientes urbanos.

Passar, no mínimo, 120 minutos por semana em contacto com a natureza promove níveis significativamente mais elevados de saúde e bem-estar, do que quando essa duração é inferior, não parecendo ser relevante o tipo de actividade física realizado para atingir essa duração mínima. Algumas pessoas podem preferir caminhadas longas ao fim de semana em locais mais afastados de casa, enquanto outras preferem visitas regulares e de curta duração a parques próximos da sua área de residência.


E nas férias?

Em período de desconfinamento, ainda com restrições ao contacto social e à circulação, a escolha de locais onde possa interagir e usufruir do contacto com a natureza, em segurança, é importante para ajudar a repor o seu equilíbrio físico, psicológico e social.

Vá para fora cá dentro! E aceite algumas sugestões (não se tratando de uma listagem exaustiva) de actividades em contacto com a natureza que pode realizar em território português:

– Caminhar e andar de bicicleta (walking and cycling) em todas as regiões de Portugal continental e ilhas, com muitos trilhos marcados e disponíveis;

– Canoagem em águas bravas e águas livres mais lentas em quase todos os rios de Portugal;

– Surf e outras actividades de surfing em todo o litoral português;

– Escalada, por todo o país, com muitas zonas equipadas para esta prática;

– Desportos com vela em toda a costa portuguesa;

– Balão sobretudo na zona do Ribatejo e Alentejo;

– Parapente disponível em vários spots em Portugal continental e ilhas;

– Canyoning em muitas das linhas de água portuguesas;

– Mergulho em alguns spots mais procurados como Portimão, Sesimbra, Açores e Madeira;

– Coastering, já iniciado em Portugal, nomeadamente em Sesimbra, Açores e Madeira.


Atenção à segurança!

Lembre-se que o maior risco para a infecção com a COVID-19 é o contacto social. É, pois, importante manter o distanciamento social e os cuidados de higienização adequados, enquanto é garantida a segurança da realização da actividade propriamente dita.

No entanto, se não tem hábitos de prática regular de actividade física ou tem dúvidas acerca da actividade a escolher, pode procurar aconselhamento especializado junto de um Fisiologista do Exercício para o ajudar a seleccionar as actividades mais adequadas à sua condição de saúde, aptidão física e preferências pessoais.

Assegure-se sempre de que as actividades a realizar vão ser enquadradas por profissionais devidamente certificados para essa finalidade, bem como de que existem meios e um plano de segurança para intervenção numa eventual situação de emergência.

Tenha umas férias saudáveis, prazerosas e em segurança!

 

 

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...