Estas são as tendências do futuro na experiência dos viajantes

A MSC Cruzeiros apresenta “O Futuro da Experiência dos Viajantes”, um relatório que explora as tendências que terão impacto no futuro da indústria das viagens.

Criado em parceria com The Future Laboratory, uma das principais consultoras das tendências de futuro do mundo, o relatório identifica de que forma as marcas nos sectores de viagens e alojamento terão de disponibilizar experiências de “ultra-alta definição” (UHD) para satisfazer as necessidades do viajante do futuro. Com o grande impacto da hiper-conectividade, da urbanização e da transformação demográfica, o relatório mostra que o futuro da indústria dos cruzeiros está cheio de desafios, mas mais importante ainda, de oportunidades.

O luxo passará a ser hiper-luxuoso, os spas serão hiper-revitalizantes, o entretenimento será 5D e até mais, e as viagens serão orientadas por um propósito, o que enriquecerá a vida e a mente dos viajantes. Os hóspedes do futuro valorizarão a fluidez, a liberdade e a fluência cultural, enquanto procuram pela descoberta e pelo o auto-aperfeiçoamento. As marcas do sector das viagens terão de dar resposta, proporcionando experiências com as quais os viajantes de diferentes mentalidades se identifiquem e comunicando novas perspectivas que os ajudem a crescer e a progredir.

Os viajantes do futuro procurarão uma experiência de férias verdadeiramente personalizada e, à medida que o mundo se torna mais conectado do que nunca, a tecnologia disponibilizará às marcas as informações necessárias para adaptar as experiências a cada indivíduo. O relatório demonstra que a tendência das Data ID Wallets permitirá às marcas criarem uma experiência verdadeiramente dinâmica, integrada e hiper-personalizada. Os navios de cruzeiro e resorts tornar-se-ão verdadeiras bases de dados, avaliando o comportamento dos hóspedes para melhor informar sobre os serviços oferecidos. Os assistentes e dispositivos de Inteligência Artificial (IA) continuarão a desempenhar um papel importante na satisfação das necessidades dos hóspedes.

 

Tecnologias como a ZOE serão também fundamentais para facilitar a tendência do Design Subconsciente, onde as tecnologias responsivas vão adaptar na perfeição os ambientes de acordo com o humor e as emoções de cada hóspede. O camarote do navio de cruzeiro do futuro poderá vir a ter sensores de sinais biológicos que monitorizam os batimentos cardíacos e a expressão facial, ajustando a luz e a temperatura para o máximo conforto. Outra opção poderá passar pela existência de materiais inteligentes que actuem como arte viva, mudando para criar um ambiente visualmente imersivo, alinhado com o estado emocional do viajante.

A hiper-conectividade levará também as pessoas a procurar a conexão humana para evitar a desumanização e, por esse motivo, será desenvolvida a tendência de Anthropo-tainment, ou seja, o entretenimento centrado no homem que coloca as pessoas no centro do palco, acessível a todas as idades, sexos e nacionalidades. Impulsionada por um mundo híper-conectado que torna as viagens mais acessíveis, essa tendência levará o entretenimento a derrubar barreiras geográficas, culturais e demográficas.

À medida que os viajantes se tornam cada vez mais conscientes do impacte ambiental das suas viagens e procuram opções de férias ecológicas, a experiência do hóspede em 2030 colocará um enfoque significativo na sustentabilidade, no impacto social e no compromisso cívico.

O desejo de viajar com um propósito também verá o crescimento dos Resorts Reaproveitados, onde as marcas de alojamento transformarão espaços desabitados ou abandonados, promovendo as economias locais, tornando-os em destinos únicos.

A Ocean Cay MSC Marine Reserve nas Bahamas é um exemplo de um desses destinos. A MSC Cruzeiros trabalhou para transformar aquilo que anteriormente foi um local de escavação industrial num destino ecológico para os viajantes. A ilha foi desenvolvida para criar um impacto positivo a longo prazo, tanto em termos ambientais, quanto nas comunidades locais das Bahamas.

Com a procura dos consumidores pela personalização, pela vontade de convívio e desejo por uma experiência com propósito ao longo da próxima década, as marcas que cumpram essas três frentes criarão uma experiência para o viajante que é realmente de altíssima definição. A indústria dos cruzeiros ficará na vanguarda dessa transformação, adoptando inovações criativas e voltadas para o futuro que vão além do que é esperado. Uma vez experimentado, não haverá volta.

 

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Faleceu Joaquim Martins Lampreia
Automonitor
Elétricos: Galp vai inaugurar primeiro ponto de carregamento em São Miguel