Espaço aéreo da Área Terminal de Lisboa vai crescer

Aprovado projecto para aumentar capacidade aeroportuária de Lisboa até 72 movimentos

A INFANAV, entidade que tem a seu cargo a gestão estratégica do espaço aéreo, aprovou no passado dia 23 de outubro o projeto para a reorganização do espaço aéreo da Área Terminal de Lisboa (ATL). O projecto foi preparado pelo Grupo de Trabalho Espaço Aéreo (GTEA) de acordo com o determinado pelo n.º 1 da Resolução do Conselho de Ministros 94/2019.

Este projecto prevê a reorganização e conciliação da utilização civil e militar do espaço aéreo da região de Lisboa e a sua aprovação significa que estão reunidas as condições para aumentar gradualmente a capacidade da ATL até aos 72 movimentos/hora.

No entender do GTEA, a conjugação dos termos previstos na Carta de Operação entre a Força Aérea e a NAV Portugal assinada no passado 28 de junho de 2019, que prevê a cedência de espaço aéreo de Sintra, com os termos já acordados para a futura Carta de Operação a celebrar entre as mesmas entidades mas para a cedência parcial do espaço aéreo de Monte Real, garantem as condições necessárias para se avançar com o aumento gradual da capacidade do sistema aeroportuário de Lisboa até 72 movimentos/hora – valor que compara com os atuais 44.

 

Os termos previstos nestes acordos entre a Força Aérea e a NAV prevêem a cedência de espaço aéreo de Sintra a partir de abril de 2020 e a cedência parcial do espaço aéreo de Monte Real a partir do Verão IATA 2021. No caso de Sintra, o objectivo visa a viabilização do Point Merge System já a partir de abril de 2020.

Através dos acordos são redefinidos limites verticais e laterais do espaço aéreo sob jurisdição militar, assim como limites verticais da ATL de modo a permitir novos procedimentos para o aeródromo de Cascais. Os acordos foram desenhados de forma a garantir igualmente a execução das missões da Força Aérea, necessárias para assegurar a prontidão do seu sistema de forças.

A reorganização operacional do espaço aéreo em curso não só irá aumentar a capacidade aeroportuária de Lisboa, como oferecerá uma estrutura de espaço aéreo mais eficiente, permitindo uma melhor gestão do tráfego na fase de aproximação a Lisboa e, desta forma, a redução de atrasos e do total de emissões de gases de estufa associadas ao transporte aéreo.

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Quer ir ao Burning Man? Cuidado com os bilhetes falsos
Automonitor
Elétricos: Galp vai inaugurar primeiro ponto de carregamento em São Miguel