É sempre hora de visitar a Madeira

Arquipélago com um clima subtropical e paisagens deslumbrantes, a Madeira é justamente conhecida como “o Jardim Flutuante” ou “a Pérola do Atlântico”. Localizada no Norte do Oceano Atlântico é um local a descobrir.

A primeira vez que nos deslocámos á madeira ficámos fascinados com tanta beleza. Fascínio esse que nos levou a colocar o arquipélago não só na lista dos locais mais belos do nosso país, como na listas dos destinos onde sabe bem voltar. E foi isso que aconteceu, voltámos, não uma, não duas, mas variadíssimas vezes.

Mar e céu…e muito mais

Coberta de tons fascinantes da exótica vegetação, como um manto verde, a Madeira é considerada uma reserva natural, um autêntico paraíso. O arquipélago é formado, não só pelas ilhas habitadas, que são a Madeira (a maior) e o Porto Santo, mas também por dois pequenos grupos de ilhas desabitadas, as Desertas e as Selvagens. Em 1418, o portugueses João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira descobriram a ilha do Porto Santo, sendo que no ano seguinte descobriram a maravilhosa ilha verde à qual deram o nome de Madeira.

Impossivel começar um périplo pela ilha sem ser pela sua capital, a cidade do Funchal. Apresentando um ambiente descontraído e um estilo de vida sofisticado, a cosmopolita Funchal é a maior cidade da ilha e o seu principal centro de comércio. Situada na costa sul da Madeira, é hoje em dia um dos portos mais procurados por navios de cruzeiro que navegam no oceano Atlântico. Na verdade este constitui um dos momentos mais interessantes, pois olhar e ver o porto do Funchal com dois ou três enormes paquetes é digno de ser ver. Em pleno século XXI, o Funchal surge como uma metrópole animada, colorida e movimentada. Rodeada por um lado pelo Atlântico e por outros pelas montanhas, é dona de uma riquíssima herança cultural, com imensas coisas para ver e fazer. Com o sol a aquecer o dia sugerimos que parta à exploração da cidade tendo como ponto de partida o colorido Mercado dos Lavradores, onde se pode adquirir uma enorme variedade de flores exóticas e frutos tropicais, além de peças artesanato local, peixe e vegetais frescos. Depois de uma pausa para descansar e apreender a vivência da cidade, avance para um passeio cultural.

Cultura e natureza

São muitos os museus, monumentos, galerias ou jardins do Funchal! Comece a viagem pela Sé Catedral, que situada no centro da cidade velha, foi edificada entre 1485 e 1514, permanecendo hoje como um dos poucos edifícios manuelinos ainda existentes na capital madeirense. Percorrer a bela marginal do Funchal é obrigatório, tal como obrigatória é a pausa numa das muitas esplanadas para se apreciar devidamente a paisagem circundante. Não deixe de descobrir o Jardim Monte Palace. Vindos do centro do Funchal, o teleférico é o meio de transporte mais adequado para chegar a este espaço de paz e tranquilidade, onde os elementos orientais se cruzam com testemunhos da mais rica história portuguesa.

Já fora do perímetro urbano, toda a região costeira e o interior da Madeira oferecem inúmeras opções de lazer onde a belíssima paisagem natural emoldura os sentimentos dos visitantes. Imagens de uma natureza pura e verdejante que vão perdurar na memória dos viajantes, fazendo lembrar, tempos depois, como é bela a ilha criando em cada um fortes desejos de regresso.

A diversidade é ponto de honra num território tão pequeno. Efectivamente, a natureza vulcânica enriqueceu a Madeira com altas escarpas, montanhas verdejantes e uma flora deslumbrante que fica ainda mais avivada pelo azul do mar e do céu. No sul da ilha, a região mais populosa e mais calma, encontra-se protegida dos ventos alísios, enquanto a costa norte, bem mais dramática e acidentada proporciona aos olhares espantados dos turistas um inebriante espectáculo de azul, verde e branco com as vagas oriundas do oceano Atlântico a traçar cada arriba, cada baía e cada enseada.

E o que falar das montanhas? De formas fabulosas muitas surpreendem com o seus  cumes tantas e tantas vezes afundados num nevoeiro cerrado, testemunho de um microclima muito próprio e responsável pela sua magnifica natureza selvagem e pura.

Mas também fora da cidade se encontra cultura como por exemplo no Centro das Artes Casa das Mudas que chama a atenção. Edifício premiado internacionalmente tanto pela inovação da sua arquitectura como pela perfeita integração na paisagem, a Casa das Mudas está situada no concelho da Calheta, a pouco mais de 20 minutos de distância da cidade do Funchal. Centro de exposições, tem recebido mostras de prestigio como a mostra Art Déco – Colecção Berardo, What a Wonderful World.

Hotelaria de luxo

Uma das facetas que mais tem evoluído no arquipélago tem sido a sua oferta hoteleira. De elevado valor e qualidade, muitas têm sido as unidades a abrir, as quais se vieram juntar a hotéis de renome firmado e de reconhecida qualidade. Das tradicionais quintas da madeira, ao hotel de design, passando pelo resort de praia, de tudo se compõe a luxuosa oferta hoteleira madeirense.

Na categoria de hotéis de design impossível não fazer uma referência ao The Vine, onde simplicidade e discrição são dois factores primordiais. Simplesmente divinal, este é um espaço que tem sido alvo de um número crescente de elogios. A grande inspiração veio do vinho, que, inclusive, lhe deu o nome e das suas múltiplas e específicas propriedades. Quase em simultâneo, o adjectivo divino foi-lhe adicionado, a divine hotel, com uma decoração vanguardista e arrojada, único na ilha da Madeira. Tal como um bom vinho, The Vine tem alma, tem carisma. Dedicado a todos os que, procurando a tradicional comodidade de uma unidade hoteleira, não abdicam da diferença e da decisão de quererem viver uma experiência verdadeiramente nova, The Vine segue um conceito de design, simultaneamente, contemporâneo e distinto. Da autoria do ateliê de arquitectura do espanhol Ricardo Bofill, o projecto do The Vine faz justiça à fama de este ser um dos ateliês internacionalmente mais bem cotados no que diz respeito à concepção de espaços urbanos, fazendo parte do seu portefólio obras como a sede da griffe Dior e a Fundação Cartier, em Paris, a sede da empresa JP Morgan, em Los Angeles, e o barcelonês aeroporto de El Prat. Efectivamente, este arquitecto catalão, nascido, em 1939, na cidade de Barcelona e formado pela Escola de Arquitectura de Genebra, na Suíça, tem influenciado a evolução da arquitectura moderna. O definitivo toque de modernidade veio com a decoração dos espaços interiores, tanto privados como comuns, entregue a Nini Andrade da Silva.

Mais tradicionais mas portadoras de uma qualidade ímpar as quintas da Madeira continuam a pontuar como uma das melhores opções para quem procura o máximo conforto num luxo despretensioso.

Inaugurada em 1998, a Quinta da Casa Branca é um boutique hotel situado bem perto do centro da cidade do Funchal. Quem chega sabe que pode contar com um serviço personalizado e exclusivo, merecedor das 5 estrelas que carrega desde o início. A quinta original serviu de ponto de partida para a criação de um destino singular onde um arrojado projecto arquitectónico (galardoado com o Prémio Arquitectura do Funchal em 1999) marca a diferença, acentuada pela sua harmoniosa integração no espaço pré-existente. Agosto de 2002 marcou a vida da unidade, pois foi sujeita a um profundo processo de ampliação e remodelação, o qual lhe atribuiu o aspecto que hoje nos deixa encantados. Passear pelos 12 mil m² de jardim desta unidade é algo de maravilhoso, pois, esquecendo que estamos tão perto do coração da capital madeirense, conseguimos na verdade relaxar, fugindo da rotina. As árvores que ali podemos observar, muitas com centenas de anos de existência, coexistem com flores características da região, numa dança perfeita entre cor, forma e movimento. O restaurante Casa da Quinta, o qual serve ao jantar, num ambiente clássico, um inovador mas bem cuidado menu à lá carte, que já lhe granjeou a fama de um dos melhores restaurantes madeirenses, e o restaurante Pavilhão do Jardim que instalado num edifício moderno à beira da piscina do hotel serve os reconfortantes pequenos-almoços e almoços, além de snacks e lanches.

De seu nome Bela Vista, esta foi a primeira quinta 5 estrelas da Madeira, pois datada de 1844 foi convertida em hotel corria o ano de 1989. Se numa primeira fase abriu com 40 quartos, depressa foi objecto de um processo de ampliação que resultou no nascimento de mais 17 aposentos. A última remodelação aconteceu em 2001 sendo que hoje possui um total de 89 quartos, seis dos quais suites.

Desde sempre que esta tem sido a unidade hoteleira escolhida pela rainha Sílvia da Suécia aquando das suas visitas à Madeira, hábito que já passou para a sua filha, a princesa Vitória, e que deixa muito orgulhoso o seu proprietário e director, Gonçalo de Ornellas Monteiro. A tradição de bem receber está bem patente na Quinta da Bela Vista onde tudo foi concebido para servir quem chega de uma forma irrepreensível.

A tudo o que já referimos juntamos o seu vinho, as talentosas bordadeiras, o bolo de mel, as flores e os frutos exóticos, sendo que por fim adicionarmos um clima temperado, o que nos dá a receita certa para umas férias de sonho.

Por Sandra M. Pinto

 

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Nova Kinda de Oeiras tem um corredor infinito e um Design Studio
Automonitor
Cepsa Black Week começa esta sexta-feira