Budapeste belíssima à beira do Danúbio

Budapeste existe para encantar o mundo. É exactamente assim que sentimos quando chegamos à magnífica cidade que, partida em duas pelo Danúbio, nos deixa literalmente sem palavras.

A essência de Budapeste reside na sua história, marcada por períodos alternados de prosperidade e devastação. Uma inconstância histórica que se explica pela sua localização estratégica, estendendo-se ao longo das margens do Danúbio, no coração da Europa Central. Os Magiares foram os fundadores da nação húngara, e nem os períodos negros da sua história apagaram essas raízes: a invasão turca no século XVI, o domínio dos Habsburgos até 1867, a devastação causada pela II Guerra Mundial e o controlo soviético até 1989. Acontecimentos que deram ao povo húngaro a capacidade enfrentar a adversidade e também o profundo orgulho pelo passado. Essa forma de estar é parte da alma de Budapeste, cidade que nasceu em 1873, com a unificação das cidades de Buda, Óbuda e Peste. Buda e Peste permanecem distintas, no entanto, criam um interessante contraste entre as margens do Danúbio. Buda, na margem ocidental, oferece estreitas e labirínticas ruas e uma interessante mistura de edifícios medievais e neoclássicos, na maioria reconstruídos depois da II Guerra Mundial. Peste, na margem oriental, reflecte o esplendor vivido nos finais do século XIX princípios do século XX, quando o estilo Secessão – uma das expressões da Arte Nova – criou as mais belas obras arquitectónicas. A cidade é uma mistura impressionante de estilos e revivalismos arquitectónicos, afinal um dos seus maiores cartões-de-visita. A sombra do Comunismo já não paira na cosmopolita Budapeste, que se aproxima a passos largos de outras cidades europeias. O visitante surpreende-se com uma metrópole onde a modernidade convive com as tradições. Historicamente centro de cultura e sobretudo de actividade musical, Budapeste também retomou a sua vocação: os seus festivais são já mundialmente famosos. Sendo uma das maiores cidades termais da Europa, os banhos são outro dos seus ex-libris. E depois … depois há o Danúbio, adornado por belas pontes e de onde, navegando, se vislumbra a mais encantadora das perspectivas das cidades que se tornaram uma só.

Perdidas na cidade

Entre as muralhas do Bairro do Castelo, na zona de Buda, distinguem-se a Cidade Velha e o Palácio Real. A Cidade Velha, reconstruída depois da guerra, tem o encanto das ruas medievais, sendo dona de um rico património arquitectónico. Destaca-se a Igreja Mátyás, uma reconstrução neogótica, e também o invulgar Museu do Comércio e Restauração. A Rua dos Lordes, que atravessa a Cidade Velha, ainda conserva características da época medieval que se misturam com fachadas barrocas e neoclássicas. Aconselhamos uma visita ao Bastião dos Pescadores, excelente miradouro sobre a cidade. As suas torres cónicas inspiram-se nas tendas dos Magiares. A sul, estende-se o Palácio Real, destruído e reconstruído por diversas vezes. Hoje é uma interessante amálgama de vários estilos, acolhendo a Galeria Nacional, a Biblioteca Nacional e o Museu de História de Budapeste.

A Colina Gellért é um dos locais mais aprazíveis da cidade, de onde se avista o Palácio Real e o Danúbio. No topo, ergue-se a Cidadela, fortaleza do século XIX, e o Monumento da Libertação. Em redor, desenvolveu-se um belo parque. No sopé, o Hotel Gellért exibe o seu estilo Secessão. Um hotel termal de reputação mundial pela qualidade das suas águas. Bem perto, estão os igualmente famosos Banhos Rudas.

Entre a colina do Castelo e a margem ocidental do Danúbio, fica a zona conhecida por Vízíváros ou Cidade da Água. Inúmeros cafés e restaurantes aliam-se a monumentos barrocos e a uma elegante marginal. Abundam igrejas nos mais diversos estilos arquitectónicos. São ex-libris a Igreja de Santa Ana, um dos mais belos exemplares do Barroco, e a Igreja de Santa Isabel, outro testemunho interessante do Barroco.

Impossível não se ficar apaixonado por esta cidade que mais parece duas. Assim, em Peste ainda se sente o esplendor de finais de oitocentos na Praça Kossuth, dominada pelo edifício neogótico do Parlamento. Do lado oposto, ergue-se o Museu Etnográfico, cujo estilo arquitectónico liga elementos renascentistas, barrocos e clássicos. As 170 mil peças da sua colecção narram a cultura húngara desde os primórdios. Na Praça Roosevelt, destacam-se a Academia Húngara das Ciências, em estilo neo-renascentista, e a neoclássica Basílica de Santo Estevão. Perto daqui, estão o Palácio Gresham, em estilo Secessão, e a Ópera Nacional.

Viremos para o Centro

O centro de Peste é o ponto de encontro da cidade, sobretudo a Rua Váci, a zona de passeio e de compras mais elegante de Budapeste. Está ladeada de lojas, cafés, fontes e estátuas. Maia afastados do bulício da rua, existem velhos pátios e arcadas comerciais, indo o destaque para o Palácio Klotild e a Igreja Paroquial da Baixa da Cidade, o edifício mais antigo de Peste. A colecção de arte do elegante Museu Nacional Húngaro merece uma visita, enquanto no Bairro Judeu, pode ser devidamente apreciada a maior Sinagoga da Europa.

Visitemos agora o parque da cidade, que datado do século XIX tem a entrada, pela Praça dos Heróis, dominada pelo Monumento do Millennium. No lado norte, ergue-se o Museu de Belas-Artes, e no lado sul, o Palácio da Arte, o maior espaço de exposições do país. Na ilha do lago de Városliget, situa-se o Castelo Vajdahunyad, que não é um castelo mas sim um conjunto de edifícios que reflectem vários estilos arquitectónicos. A Estátua do Desconhecido, no lado oposto, é um monumento célebre. É também aqui que se situam os Banhos Széchenyi, o maior complexo balnear termal da Europa, e um bonito Jardim Zoológico.

A abraçar Budapeste, 

…uma periferia que encerra inúmeros locais de interesse, como as ruínas de Aquincum, cidade fundada pelos romanos em 100 d.C., ou em pleno Danúbio a Ilha Margarida, um paraíso de verde que convida a tranquilos passeios. O acesso é feito a partir da Ponte Margarida. Para oeste, abundam reservas naturais e grutas. A sul da cidade, situa-se um dos mais belos palácios barrocos da Hungria, o Palácio Nagytétény.

Se ficou curioso com tudo que lhe contámos e desejoso de ver estas maravilhas todas ao vivo, saiba que é na Primavera e no Outono que Budapeste parece estar no seu melhor, amena e tranquila. O Verão, quente e cheio de acontecimentos, é sempre muito animado, no entanto, as multidões de turistas podem ser um inconveniente para quem procura uma estada tranquila. Muna-se de calçado confortável, pois a actividade principal para quem visita Budapeste é partir à descoberta do seu património histórico de Budapeste. Mas, há muito mais para fazer. Por exemplo, viajar de barco no Danúbio, outra forma de observar a cidade. Siga a tradição do povo húngaro para quem é importante viver o ambiente de café e restaurantes, locais obrigatórios para quem quer se imiscuir na vivência da cidade e também experimentar os excelentes vinhos e a gastronomia local. Por último, tem de experimentar uma das reputadas estâncias termais de Budapeste. Garantimos que não se vai arrepender.

 

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Janeiro de 2020
Automonitor
Elétricos: Galp vai inaugurar primeiro ponto de carregamento em São Miguel