AÇORES DO MAR À TERRA, MIL EXPERIÊNCIAS

Nove esplêndidas ilhas ao alcance de todos. Paisagens deslumbrantes, gastronomia de comer e chorar por mais e uma cultura rica e diversificada, onde a cidade de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, e a Paisagem da Cultura da Vinha, na ilha do Pico, são Património Mundial da Unesco. Em cada uma das nove ilhas há tanto para conhecer!

Geograficamente, os Açores são a ponte entre a Europa e América, sendo que esta região autónoma encontra-se a duas horas de viagem, via aérea, de Portugal Continental e a, sensivelmente, cinco horas da América do Norte. Ao longo de seiscentos quilómetros de extensão desde de Santa Maria ao Corvo, é possível disfrutar de um ambiente marinho diversificado e limpo e de uma superfície terrestre encantadora e verdejante. As nove ilhas estão divididas em três grupos, sendo o grupo Oriental composto por Santa Maria e São Miguel, o grupo central formado por Terceira, Pico, Faial, São Jorge e Graciosa e, por fim, o grupo Ocidental com Flores e Corvo. Destaque para o clima ameno que permite relaxar em qualquer estação do ano, aproveitando as festividades, gastronomia, saúde e bem-estar, actividades terrestes e marítimas, como uns dos vários exemplos, que permitem recarregar baterias e estar mais alegre. É impossível ficar alheio à passagem nestas ilhas, porque cada uma à sua maneira oferece o melhor que tem e a sua genuinidade permite alcançar níveis de notoriedade, tal como demonstram os inúmero galardões e reconhecimentos internacionais que atestam da sua inigualável beleza e da seriedade dos seus habitantes em a preservar.

BIKING

Os Açores são natureza por descobrir de mil maneiras, fazendo deste destino uma verdadeira aventura. A bicicleta é um veículo de exploração que provoca emoções fortes e nos Açores é possível viver momentos de adrenalina. Estradas serpenteantes, subidas íngremes e descidas vertiginosas são o plano para os amantes do ciclismo. Trilhos técnicos, rápidos, exigentes e desafiantes são a combinação para os entusiastas do BTT. Companheira nas pedalas está sempre uma paisagem encantadora, verdejante e harmoniosa, quer seja em “Road”, “Cross Country” ou “Enduro”.

O BTT nas ilhas Açorianas tem opções para todos os gostos e experiências, desde de percursos simples que ligam as altas montanhas até às praias e fajãs das ilhas, ou trilhos mais rolantes que circundam as Lagoas ou atravessam as serras abundantes em fauna e flora endémica.

O Cycling passa por belas estradas, ladeadas por hortênsias e matas de criptomérias, levando das paisagens deslumbrantes, a pastos e montanhas das localidades de muito interesse.

Durante todo o ano existem eventos relacionados com esta vertente desportiva, uns mais amadores, outros mais profissionais, mas todos com espírito de aventura e descoberta. Desde de eventos de âmbito local, regional e até internacional de BTT e Ciclismo, muitos atletas pedalam nas nove ilhas do Arquipélago, com o mesmo objectivo, descobrirem a natureza e a beleza dos percursos.

CANYONING

A origem vulcânica das ilhas dos Açores cria condições extraordinárias para a prática de Canyoning. Esta é uma actividade em expansão fruto das condições de excelência da natureza que provocam imensa adrenalina.

Das nove ilhas dos Açores, três têm condições inigualáveis para a prática desta modalidade. São Miguel no grupo Oriental, São Jorge no grupo Central e Flores no grupo Ociental. Estas ilhas oferecem itinerários com muita beleza, níveis diferentes de exigência e muita energia. Destaque para a ilha das Flores por ter a maior variedade de percursos, das grandes verticais aos percursos mais simples. São Jorge é composto por grandes verticais, tal como São Miguel. Neste momento, começam a ser identificados mais locais noutras ilhas, como em Santa Maria e no Faial

Esta é uma modalidade que necessita de algum nível conhecimento técnico, pelo facto de englobar diversos parâmetros, desde de manobras com cordas, caminhada, escalda e progressão por meio aquático. Os itinerários são classificados de acordo com um grau de dificuldade que leva a diferentes tipos de preparação. Para os “rookies” existe o chamado baptismo de Canyoning, para que possam aferir a dificuldade, mas também, para aumentar os seus níveis de entusiamo. Os Açores dispõem de cursos de aperfeiçoamento que levam, posteriormente, a níveis mais exigentes. Para além disso, dispõem de várias empresas especializadas nesta actividade de ar livre, que oferecem diversas descidas e dispõem de todo o material especifico.

GEOTURISMO

Nos Açores existem 1766 vulcões, nove dos quais ainda placidamente activos. No subsolo, estão assinaladas quase três centenas de cavidades vulcânicas, sob a forma de grutas, algares e fendas. Na paisagem, há caldeiras secas, lagoas em crateras, campos fumarólicos e nascentes termais. No mar, encontram-se fontes geotermais submarinas. A majestosa montanha do Pico, de cone ainda intacto, parece proteger todas estas riquezas geológicas. Testemunho do poder da Natureza, o vulcanismo do arquipélago impressiona pela diversidade e gera um magnetismo especial no visitante.

PARAPENTE

Os Açores são extraordinários para a prática do parapente, fruto da combinação entre as verdejantes vistas, ainda mais belas quando vistas em altitude, e de condições de voo quase sempre favoráveis. Está é uma actividade cada vez mais procurada quer por parte dos praticantes do parapente, quer por parte daqueles que sonham em disfrutar da beleza dos açores a um nível mais elevado. É possível voar durante todo o ano, mas os meses de verão afirmam-se como os melhores para a prática da modalidade. Desde voos técnicos em cross country passando pelas crateras vulcânicas das Furnas, Lagoa do Fogo ou Sete Cidades considerado um dos 60 mais belos locais da europa para voo livre, as praias e falésias costeiras também possibilitam voos extremamente divertidos.

No mês de Agosto é realizado o festival de parapente dos Açores, contando com a presença de inúmeros pilotos nacionais e internacionais, que ao longo de uma semana trocam experiências nos melhores spots de S. Miguel.

PASSEIOS A CAVALO

Os Açores são o local ideal para passeios equestres. As ilhas açorianas oferecem uma diversidade de cenários deslumbrantes sobre o Oceano Atlântico, embelezadas pelos jardins alegres e vibrantes, bem como pelos pastos verdes. A trote, os cavaleiros poderão desfrutar da serenidade dos caminhos, com alguma aventura à mistura, rendendo-se, por fim, às bonitas paisagens.

GOLFE

Paz e natureza são os companheiros das tacadas nos campos de golfe dos Açores. Os greens estão recheados de flores, numa paisagem desafogada e relaxante. As ilhas de São Miguel e Terceira, onde existem campos, são um verdadeiro paraíso para os amantes desta modalidade desportiva. Existem percursos adaptados a principiantes e profissionais, conjugando a vertente de hobby com a competitiva. O clima permite jogar em qualquer estação do ano, fruto das suas características meteorológicas únicas. A temperatura é amena mesmo no inverno, onde os dias costumam ter boas abertas, tornando os campos num cenário magnífico. No verão as temperaturas não são, significativamente, altas o que permite apreciar os tons de verde que circundam os greens, criando um ambiente que incentiva a dar umas tacadas.

O golfe em São Miguel é praticado em dois campos de nível internacional, com greens repletos de jarros, hortênsias e criptomérias. O campo das Furnas tem um registo de altitude, o da Batalha vista para o oceano. Ambos estão munidos de infra-estruturas e serviços que criam uma experiência única. No total, os campos propõem quatro percursos, preparados para diferentes níveis e preferências.

Na Terceira existe só um campo, mas muito espírito golfista na população local. Inicialmente este campo servia de recrio ao pessoal militar da base aérea das Lajes, tendo sofrido inúmeras melhorias a nível de edificação e traçado. É um green estimulante, que propõe momentos muito agradáveis aos seus praticantes, quer em registo de treino ou convívio, quer em prática desportiva ou de eventos internacionais.

OBSERVAÇÃO DE AVES

A posição central no Oceano Atlântico, permite a passagem de várias espécies migratórias, algumas raras, que encontram nos recantos dos Açores o seu abrigo. É possível ainda observar aves marinhas e espécies e subespécies endémicas, tornando os Açores conhecidos internacionalmente com um destino para a observação de aves. O Priolo é uma das aves mais raras da Europa e endémica de uma pequena zona da Ilha de São Miguel, tal como o Painho-de-monteiro , uma das aves marinhas mais raras da Europa e endémica dos ilhéus da ilha Graciosa. Destaque para o Canário-da-terra, espécie exclusiva da macaronésia, e diversas subespécies endémicas como o Tentilhão, a Estrelinha, o Pombo-torcaz e o Milhafre.

Os Açores têm, também, as populações de nidificação mais importantes a nível mundial de cagarros e Garajau-rosado.

O arquipélago tem, na sua totalidade, aproximadamente trinta espécies nidificantes. O número de espécies ocasionais já observadas e registadas nos Açores aproxima-se das quatro centenas, entre elas algumas extremamente raras e debutantes para o Paleárctico ocidental. É possível observar aves em todas as ilhas, com destaque para São Miguel e Graciosa pelas espécies endémicas, para a ilha Terceira para a observação de gaivotas e limícolas de origem Neártica e Paleártica, e as ilhas das Flores e Corvo, para a observação de passeriformes americanos.

MERGULHO

Os Açores, nove ilhas e um mar de mil emoções, no centro do Oceano Atlântico, oferecem uma enorme variedade de lugares de mergulho e uma vida marinha rica e abundante. Desde mergulhar com o maior peixe do mundo (o tubarão baleia) nas suas águas cristalinas, a encontrar-se rodeado de dezenas de graciosas jamantas ou ágeis tubarões azuis, tudo é possível.

A área geográfica dos Açores, numa zona de transição entre as correntes ricas em nutrientes vindas do norte e as águas quentes da corrente do Golfo, tornam este grupo de Ilhas num paraíso para uma grande e variada quantidade de espécies marinhas. É possível encontrar cinco espécies de tartarugas marinhas, mais de 25 diferentes espécies de cetáceos, e cerca de 600 espécies de peixes, incluindo grandes cardumes de peixes pelágicos, várias espécies de tubarões, jamantas e meros.

Os Açores são considerados um dos melhores lugares do mundo para a observação de cetáceos. Os mergulhadores que aqui se aventuram, descobrem que, neste grupo de ilhas de águas tranquilas e límpidas, escondem-se algumas das melhores experiencias subaquáticas a nível Mundial. É possível mergulhar em todas as ilhas do arquipélago, que oferecem experiências tão diversificadas como mergulhos costeiros, mergulhos em naufrágio, mergulho em grutas, mergulho com tubarões, e mergulho em montes submarinos remotos onde o se encontram com dezenas de Jamantas.

Debaixo de água estas ilhas são tão diferentes como à superfície, com tubarões baleia num ilha e tubarões azuis noutra, ou um naufrágio da segunda guerra mundial numa ilha e vestígios de naufrágios dos secs. XV e XVI noutra. Os Açores apresentam uma costa com um relevo de fundo muito variado, dando aos locais de mergulho um interesse geológico extra, com impressionantes arcos formados por fluxos de lava milenares e grutas profundas, muitas vezes formadas por várias câmaras interligadas entre si.

Junto à costa encontram-se meros, cardumes de peixe-porco, bem como, polvos e moreias, que se escondem por entre as rochas. Pequenos peixes dão cor ao fundo como os peixes rei, peixes rainha, castanhetas amarelas, vejas e muitos outros. A maior profundidade, os rocazes, peixe-cão e anthias marcam presença. Para além destes a água é muitas vezes preenchida por cardumes de bicudas, lírios, enxareús, e, também, jamantas, tartarugas ou peixe-lua. Contudo, os montes submarinos distantes da costa são sem dúvida o melhor local para avistar grandes peixes pelágicos, contando com cardumes de por vezes milhares de bonitos, grandes lírios e centenas de grandes bicudas estáticas na coluna de água a observar os mergulhadores. É nestes ex-líbris que os Açores ganham relevo e afirmam-se como um destino único para o turismo de mergulho.

Graças à origem vulcânica das 9 ilhas Açorianas, que se estendem ao longo da cadeia de vulcões submarinos da Crista Média Atlântica, existem nos mares dos Açores elevações de terra que emergem de grandes profundidades do fundo oceânico, por vezes superiores aos 1000m, até poucos metros da superfície – os chamados montes submarinos. Alguns deles formaram, outrora, ilhas que foram engolidas pelo mar. No entanto, existem montes submarinos acessíveis para a prática do mergulho, como é o caso do Banco Princesa Alice, Banco D. João de Castro, Ilhéus das Formigas e Banco Dollabarat, que apresentam uma variedade única de fauna e flora marinha, tornando estes mergulhos marcantes, enriquecedores, que provocam a vontade de estar debaixo de água durante muito tempo, pois a biodiversidade marinha é envolvente.

SURF

Os Açores são um paraíso para os amantes do Surf. A sua localização geográfica torna esta numa região de excelência para a prática dos desportos de ondas. A morfologia das diferentes ilhas possibilita a prática do surf, Bodyboard, Sup, Windsurf em vários contextos, beach breaks, reef breaks e point breaks.

No inverno as ondulações são mais fortes do quadrante norte, pelas constantes depressões e frentes frias que passam a norte do arquipélago. Na época do verão predominam as ondulações de sul geradas pelas tempestades tropicais que passam a sul das ilhas, bem como chegam ainda, algumas ondulações que atravessam os 11.000km que separam os Açores das depressões que se formam entre a Africa do sul e a Antártica. Estas ondulações são conhecidas entre a população local como “inchas” ou “marés de Agosto”. Em todas as ilhas existe uma série de locais onde se pode praticar esta modalidade, quer seja em locais mais arrojados ou em locais mais tranquilos de acordo com a altura do ano e/ou ilhas de destino, com amigos e família, sendo um ambiente pacificador e relaxante, face à beleza circundante.

BEM-ESTAR

A origem vulcânica dos Açores, permite ter um recurso muito bem explorado e, consequentemente procurado, as águas termais. Neste momento o Arquipélago é procurado como destino de saúde e bem-estar, tendo todas as condições para tal, pois consegue oferecer uma diversidade de tratamento, bem como, contacto com alguma fauna e flora específica para este tipo de turismo. É do mais profundo da terra que surgem nascentes de águas carbónicas naturais, cascatas e piscinas de água férrea com temperaturas perto dos quarenta graus celsius. Destaca-se as piscinas termais nas Furnas e na Ferraria, em São Miguel, que para além de ferro, possuem cálcio, magnésio e outros minerais e oligoelementos essências à pele humana, e as termas do Carapacho na ilha Graciosa. São estes banhos em contacto com a natureza que permitem estar em harmonia e plenamente relaxado

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players
Automonitor
Marcas deverão despedir 80 mil pessoas nos próximos anos