À descoberta do Luxemburgo

Aqui confessamos que o pequeno Luxemburgo não estava na nossa lista de destinos a conhecer, mas o convite para visitar o grão-ducado tudo mudou. Na verdade, o Luxemburgo não só é merecedor de uma visita, como devido à sua localização serve de ponto de partida para muitas outras descobertas.

Que os homens não se medem ao palmos já todos sabemos, mas aqui lhe dissemos que os países também não. Vejamos, por exemplo, o caso do Luxemburgo que, literalmente, encravado entre a Bélgica, a França e a Alemanha soube fazer valer a sua independência, crescendo e desenvolvendo-se para surgir hoje como um dos mais ricos países da Europa, onde a vida corre calma e tranquila, um quase paraíso, não fosse o frio… Muito, muito frio é o que se sente por ali nos meses de Inverno. Ou bem que nos adaptamos ou então é complicado, por mais chocolate ou vinho quente que se beba. Claro que a hospitalidade e a simpatia com que somos recebidos tudo compensa, mas se puder escolher, visite o Luxemburgo na Primavera ou no Verão.

Surpresa atrás de surpresa

Quando se fala no Luxemburgo quase sempre se faz referência à sua capital, mas muito mais existe neste território para ser descoberto. Universo povoado de  castelos  feudais, verdejantes vales atravessados por rios, rotas vinícolas de grande qualidade, florestas mágicas, de tudo isto se compões a magia deste país.

A história do Luxemburgo conta-se entre a história da própria Europa e daquela região onde se encontra, estrategicamente sempre muito cobiçada. Foram muitas as casas reais que dominaram o Luxemburgo, que desde o século X surge como uma entidade política distinta, mas nem sempre independente. Hoje, o  país é um Grão-Ducado hereditário com um sistema parlamentar unicameral.

Andar pelas ruas da cidade, em especial na sua zona mais antiga, é regressar a um passado povoado de reis, rainhas, príncipes, nobres, povo e burguesia. Sem grande esforço quase conseguimos «ver» como seriam as diferentes classes nas suas actividades diárias. Difícil mesmo é perceber o que falam, pois o luxemburguês, a língua oficial do país não é nada simples, antes pelo contrário. Muito parecida com o alemão, é utilizada por todos, apesar de o alemão ser de comum utilização, por exemplo, nos órgãos de comunicação social. Quem observa a zona mais moderna da cidade do Luxemburgo percebe a importância do país especialmente no que ao sector bancário diz respeito. A este junta-se o facto de o país ser morada de muitas instituições europeias, o que só por si faz com que a população do Luxemburgo seja variada e multicultural. Na rua não é raro, antes bastante vulgar, ouvir falar três ou quatros línguas diferentes, sendo uma delas o português (cerca de 10 por cento da população estrangeira do Luxemburgo é portuguesa). Fora da cidade são as produções agrícola e vitivinícola que servem de base à economia. Na verdade, no que a vinhos diz respeito os brancos são os mais apreciados e divulgados. Além do vinho o Luxemburgo produz também várias cervejas.

Visita aqui, descoberta ali

Tudo ali transmite riqueza e prosperidade. Este é um país feliz. Para fazer há muita coisa, e para ver também. Comece pelo centro da cidade e visite o Musée National d’Histoire et d’Art). Depois dê um passeio tranquilo pelo Chemin de la Corniche e deleite-se com as belíssimas panorâmicas. Não perca também o Musée d’Histoire de la Ville de Luxembourg onde pode ficar a perceber de onde veio e quem sabe para onde vai este simpático país.

Uma das actividades mais interessante consiste em visitar os Casemates du Bock galerias de defesa do século XVII, usadas como túneis subterrâneos pela população de durante a Segunda Guerra Mundial e localizadas lado nordeste da cidade velha ou Bock. Edificada no principio do século XX, a ponte em arco Pont Adolphe é um símbolo da independência de Luxemburgo, além da principal ligação entre as duas zonas da cidade. Mas majestosamente localizado no coração da cidade velha, é o Palais Grand Ducal que mais atrai os visitantes. Originalmente prefeitura de Luxemburgo, o edifício datado do século VVI é actualmente residência oficial do Grão-duque.

Dignos de uma visita são também o castelo Dent Creuse, cujo nome significa “Dente Oco”, originalmente edificado no ano 965 d.C., a Igreja de São Miguel construída no final do século XVII, a Catedral de Notre-Dame, exemplar da arquitetura gótica e renascentista do século XVII, e claro as duas praças que ladeiam a cidade velha , a Place d’Armes e a Place Guillaume II, onde vai encontrar inúmeras lojas, restaurantes, cafés, entre outros locais de interesse.

A não perder

Museu de Arte Moderna MUDAM

Mudam é o museu mais importante dedicado à arte contemporânea no Luxemburgo. A sua colecção reflecte as tendências artísticas mais actuais, dando a conhecer as novas tendências artísticas tanto nacionais como internacionais. O edifício da autoria do arquitecto sino-americano, Ieoh Ming Pei, consiste num diálogo perfeito entre a envolvência natural e a herança histórica do Forte Thüngen. Localizado no Parque Dräi Eechelen, oferece uma vista panorâmica única sobre a cidade velha.

www.mudam.lu

Castelo de Clervaux

É aqui que tem a ocasião de ver a famosa exposição de fotografia «Family of Man», um testemunho impressionante de uma época. Em 1951, em plena Guerra Fria, o fotógrafo norte-americano de ascendência luxemburguesa, Edward J. Steichen, iniciou a concretização daquela que seria a maior exposição de fotografia do mundo. Para tal contactou fotógrafos profissionais e amadores que lhe enviaram cerca de quatro milhões de fotos de todo o mundo. Ele e seu assistente Wayne Miller, escolheram 503 fotografias de 273 fotógrafos oriundos de  68 países. Entre eles Henri Cartier- Bresson, Robert Capa, Dorothea Lange, Robert Doisneau, August Sander. Divididas en 37 temas, a expsição foi um sucesso, tendo entre 1950 e 1960 viajado um pouco por todo o mundo. Em 1964 o governo norte-americano entregou a exposição ao Grão-Ducado do Luxemburgo, realizando assim o desejo de Edward Steichen. Hoje a exposição pode ser apreciada permanentemente no  Castelo de Clervaux.

www.clervauximage.lu

Luxemburgo em festa

Celebrando em 2014 duas décadas desde que a UNESCO declarou Património da Humanidade a cidade velha e a zona da fortaleza, o Luxemburgo vai ser palco durante os próximos 12 meses de uma série de eventos que vão trazer mais animação.

– Festival da Primavera com jazz e músicas do mundo (www.printempsmusical.lu)

– All American Music Festival (www.allamerican.lu)

– Verão na Cidade (www.summerinthecity.lu)

– Festival WorldMeYouZik (www.meyouzik.lu)

– Festival Rock um Knuedler
(www.rockumknuedler)

– Festival Blues’n Jazz Rallye
 (www.bluesjazzrallye.lu)

– Festival de Teatro de Rua (www.streetartnimation.lu)

– Festival Live at Vauban (www.liveatvauban.lu)

Por Sandra M. Pinto

Fotos Turismo do Luxemburgo e Sandra M. Pinto

 

 

Ler Mais
Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Nova Kinda de Oeiras tem um corredor infinito e um Design Studio
Automonitor
Cepsa Black Week começa esta sexta-feira